18-12-2000

 

 

Sancho I 
(1185-1211)

 

Ai eu coitada! 
Como vivo en gram cuidado
por meu amigo
que ei alongado!
Muito me tarda
o meu amigo na Guarda!
 

Ai eu coitada!
Como vivo en gram desejo
por meu amigo
que tarda e non vejo!
Muito me tarda
o meu amigo na Guarda!
 
 
 
 
D. Dinis 
1261-1325.

  

Chegou-m' or' aqui recado, 
 
amiga, do voss' amigo 
 
e aquel que falou migo 
 
diz-mi que  tan cuitado 
 
que per quanta poss' avedes 
 
j o guarir non podedes. 
 
Diz que oje, tercer dia, 
 
ben lhi partirades morte, 
 
mais ouv' el coita tan forte 
 
e tan coitad' er jazia 
 
que per quanta poss' avedes 
 
ja o guarir non podedes, 
 
Con mal que lhi vs fezestes; 
 
jurou-mi, amiga fremosa, 
 
que, pero vs poderosa 
 
fostes d' el quanto quisestes, 
 
que per quanta poss' avedes 
 
j o guarir nom podedes. 
 
E gran perda per fazedes, 
 
u tal amigo perdedes. 

 

 

 

 

 

 
Amiga,bon grad' aja Deus 
 
do meu amigo que a mi ven, 
 
mais podedes creer mui ben, 
 
quando o vir dos olhos meus, 
 
que poss' aquel dia veer 
 
que nunca vi maior prazer. 
 
Aja Deus ende bon grado, 
 
porque o faz viir aqui, 
 
mais podedes creer per mi, 
 
quand' eu vir o namorado, 
 
que poss' aquel dia veer 
 
que nunca vi maior prazer. 

      

 

 

 

 

 

Roga-m' oje, filha, o voss' amigo 
 
muit' aficado que vos rogasse 
 
que de vos amar non vos pesasse, 
 
e por en vos rogu' e vos castigo 
 
que vos non ps de vos el ben querer, 
 
mais non vos mand' i, filha, mais fazer. 
 
El me estava en vs falando 
 
e m' esto que vos digo rogava; 
 
do-me d' el, tam muito chorava, 
 
e por en filha, [vos] rogu' e mando 
 
que vos non ps de vos el ben querer, 
 
mais non vos mand' i filha, mais fazer. 
 
Ca de vos el amar de coraon 
 
non vej' eu ren que vs i perades, 
 
sen i mais aver, mais guaanhades, 
 
e por esto, pola mia beenon, 
 
que vos non pes de vos el ben querer, 
 
mais non vos mand' i, filha, mais fazer. 

     

 

 

 

 

 

 

-Ai flores, ai, flores do verde pinho, 
 
se sabedes novas do meu amigo? 
 
ai, Deus, e u ? 
 
Ai, flores, ai flores do verde ramo, 
 
se sabedes novas do meu amado? 
 
ai, Deus e u ? 
 
Se sabedes novas do meu amigo, 
 
aquel que mentiu do que ps comigo? 
 
ai, Deus, e u ? 
 
Se sabedes novas do meu amado 
 
aquel que mentiu do que mi  jurado? 
 
ai, Deus, e u ? 
 
-Vs me preguntades polo voss' amigo? 
 
E eu ben vos digo que  s' e vivo: 
 
ai, Deus, e u ? 
 
Vs me preguntades polo voss' amado? 
 
E eu ben vos digo que  viv' e so
 
ai, Deus, e u ? 
 
eu ben vos digo que  s' e vivo 
 
e seer vosc' ant' o prazo saido: 
 
ai, Deus, e u ? 
 
E eu ben vos digo que  viv' e so 
 
e s[e]er vosc' ant' o prazo passado: 
 
ai, Deus, e u ? 

        

 

 

   

Chegou-mi, amiga, recado 
 
d' aquel que quero gram ben: 
 
que, pois que viu meu mandado, 
 
quanto pode viir ven; 
 
e and' eu leda por en 
 
e fao muit' aguisado. 
 
El ven por chegar coitado, 
 
ca sofre gran mal d' amor 
 
e anda muit' alongado 
 
d' aver prazer nen sabor, 
 
se non ali u eu for, 
 
u  todo seu cuidado. 
 
Por quanto mal  levado, 
 
amiga, razon farei 
 
de lhi dar end' algun grado, 
 
pois ven, como lh' eu mandei, 
 
e logu' el ser, ben sei, 
 
do mal guarid' e cobrado 
 
E das coitas que lh' eu dei, 
 
des que foi meu namorado.