2-1-2008

 

Os mesmos casos, relatados por Damião de Góis, aqui                

 

A expulsão (1497) e a matança (1506) dos Judeus

 

Da vida e feitos d’El-Rei D. Manuel, de Jerónimo Osório (1506 - 1580)

 

A expulsão dos Judeus (1497)

 

Suscepit deinde Emmanuel rei, quæ tunc in omnium ore versabatur, deliberationem, de qua fuit a multis in consilio in contrarias partes disputatum. Veniebat enim in consultationem, utrum Iudæi, qui fuerant a Castellæ Regibus expulsi, et in Portugalia morabantur, essent expellendi continuo, ut fuerat Ioannis tempore constitutum, an potius ut in sedibus, in quibus hoc in regno confidebant, habitarent, benignitate Regia permittendi.

Castellæ Reges Emmanuelem per literas admonebant, ne gentem sceleratam, et Deo et hominibus invisam, consistere in Portugalia sineret. Emmanuel rem maxima consideratione dignam esse statuit. Fuere qui dicerent in consilio, non esse gentem illam eijciendam, quam Pontifex Maximus in Romanæ Ecclesiæ civitatibus habitare permitteret . Quo exemplo etiam dicebant a multis Italiæ civitatibus, a multis præteret Christianis Principibus, non solum in Italia, sed in Germania et in Pannonijs, et in quibusdam alijs Europæ regionibus, esse Iudæis habitandi et negotiandi facultatem tributam. Præterea illis expulsis, non continuo perfidia ex eorum animis expelli: ubicunque enim impia gens pedem poneret, cadem sceleris vestigia relinqui. Non esse autem hominis sapientis, magis scelere uno in loco, quem in alio conslato permoveri. Deinde, si Iudæi in Africam (quod futurum nemo dubitabat, si fuissent e nostris finibus eiecti) traticerent, omnem spem, quæ de eorum salute habere potuisse incidi. Inter Christianos enim, multi ex illis Christianorum familiaritate et exemplo atque disciplina allecti, sese ad Christi nomen adiungebant: quod inter nomine Mahametana superstitione contaminatos fieri haudquaquam poterat.Non esse præterea utile rei hec gens pecuniam, qua multi ex illis abundabant ad mauros asportaret, et artibus quas a nostris acceperant, hostes nostros instrueret, quibus possent nostris non mediocre damnum inferre. Alii contra differebant, non sine causa fuisse gentem illam expulsam e Gallia, et e multis Germaniæ locis, et ex Aragoniæ et Castellæ regnis: sed quia fuisset a Principibus, qui non pluris vectigalium amplificationem , quam religionis integritatem faciebant, explorate cognitum, tentari ab ea simplicium hominum fidem, Christique nomen sanctissimum indignissimo convitio maculari, multorumque animos ex eorum consuetudine pestiferis erroribus contaminari, luemque ad rusticanorum hominum perniciem serpere. Præterea non esse sapiens, quid quam illis credere, qui hostes Christiani nominis sunt, nullaque religione impediri queunt, quo minus omnia arcana, quæ investigare possent, hostibus nostris indicent, salutemque nostram pecunia prodant. Quod si de commodis agendum esset, multo certe commodius esse, gentem ad fraudem natam, antequam manus vectigalium visceribus afferret, cum illis tantum bonis, quæ tunc habebat, expelli, quam postquam omnes regni opes in potestatem suam redigeret, tant præda locupletatam dimitti. Tunc enim ea tantum asportaturos, quæ aliunde convexerant. At si diutius in regno manerent, fore, ut multos mortales bonis omnibus, fraudibus et dolis, quibus multum valebant, everterent.

Hanc sententiam sequutus Emmanuel, statuit, ut omnes Iudæi atque mauri, qui Christi religionem profiteri nollent, e Regni finibus excederent: diemque dixit, intra quam omnes, qui in illius regno fuissent inventi, libertatem amitterent.

………………………………………………..

Instabat interim dies, quo Iudæi , qui Christiani fieri nollent, erant in exilio ituri. Omnes igitur se ad navigandum summa ope comparabant, cum Rex Emmanuel indignissime ferens, tot hominum millia in sempiternum exitium detrudi, ut saltem filiorum saluti prospiceret, rem excogitat, facto quidem iniquam et iniustam, animo tamen et proposito fine laudabilem. Iussit enium, ut Iudæorum filii, qui nondum decimum et quartum annum ætatis excederent, a parentibus abstracti, et ab illorum conspectu remoti, in religionis Christianæ disciplinam traderentur. Quod non sine magnis animorum motibus fieri potuit. Erat enim res visu mirabilis, a complexu matrum filios avelli: patres liberis affixos raptari, et fustibus etiam contundi: clamores ingentes ubique tolli, omniaque mulierum plangore et eiulatu compleri. Fuere, qui rei indignitate perturbati, filios in puteos abiicerent. Multi etiam eo progressi sunt amentiæ, ut sibi mortem propria manu consciscerent. Accedebat ad graviorem gentis miseræ calamitatem, quod illis, qui tantis iniuriis affecti, in Africam transmittere cupiebant, facultas minime præbebatur. Rex enim adeo flagrabat cupiditate gentis illius ad Christi religionem perducendæ, ut partim præmiis alliciendam, partim malo cogendam esse iudicaret.  Quanvis igitur navigandi potestas esset Iudæis ex pactione facienda, id tamen de die in diem differebat, ut mutandi consilii spatium intercederet. Itaque cum  in principio fuissent illis tres in Portugalia portus assignati, unde conscenderent, interdixit, ne quisquam ex illis aliunde quam ex Olysipponensi portu solveret. Quo factum est, ut innumerabilis Iudæorum multitudo Olysipponem conflueret.

 Interim vero dies dicta præterfluxit, ita, ut esset illis necesse, qui nondum emigrare potuerant, libertate spoliari. His tandem malis plerique victi, Christianam religionem aut ex animo profiteri, aut saltem callide simulare maluerunt, quam vitam in tanta acerbitate traducere. Cum fidei igitur Christianæ confessione, fontibus sacris abluti, et filios, et libertatem recuperarunt, multisque a Rege præmiis clementer invitati, in Portugaliæ regnis satis commode vitam exegerunt.

Fuit quidem hoc nec ex lege, nec ex religione factum. Quid enim ? Tu rebelles animos, nullaque ad id suscepta religione constrictos, adigas ad credendum ea, quæ summa contentione aspernantur et respuunt ? Idque tibi assumas, ut libertatem voluntatis impedias, et vincula mentibus effrænatis iniicias ? At id neque fieri potest, neque Christi sanctissimum numen approbat. Voluntarium enim sacrificium, non vi et malo coactum ab hominibus expetit : neque vim mentibus inferri, sed voluntates ad studium veraæ religionis allici et invitari iubet. Porro autem quis sibi id arrogare potest, quod solus divinus spiritus efficit in eorum animis, qui non ad extremum vitæ spiritum illius benignitati repugnare contendunt ? Ille namque solus est, qui mentes illustrat, et allicit, et invitat : et eos qui tantum munus non animo pertinaci et ingrato repudiant, ad Christi confessionem et societatem perducit. Postremo quis non videt, quam indignum sit, hominibus in religionis studio suspectis tot mysteria, tot res sacrosanctas, tantam rerum divinarum rationem commitere ? Et sceleris occasionem iis, qui Christi disciplinam ludibrio habent, inconsiderate præbere ? Et ita religionem per religionis simulationem indignissime violari ?

Regis tamen animus multis laudandus esse videtur, quod id religionis studio, ut ea ratione gentis Hebrææ salus constitui aliquando posset, efficeret, maxime cum viri religionis et doctrinæ opinione præstantes id licere dicerent, et fuisse iam a principibus Christianis olim factitatum. Nunquam enim defuere nec unquam deerunt, qui ad principum gratiam aucupandam orationes accomodent.

Fructus tamen eximios ex hac Regis actione, quamvis parum iusta, efferri quotidie videmus. Eorum namque filii, qui, ut suspicio erat multis iniecta, fidem nefarie simulabant, usu, consuetudine,  et disciplina, paternique sceleris oblivione, Christi religionem sancte colunt, et vitam ad disciplinam illius instituunt.

Hac ratione Iudæi partim in exilium migrarunt, partim Iudæorum nomen amiserunt. Mauri vero omnes, qui noluerunt a Mahumetis pestifera secta discedere, in Africam se contulerunt. Neque fuit eis aliquod incommodum illatum, quemadmodum Iudæis: ne Christiani, qui in Africa vel Asia sub Saracenorum dictione vivebant, aliquod ob eam causam malum paterentur.

 

 

Tomou logo à mão El-Rei D. Manuel a deliberação de um ponto, que então cursava em todas as práticas, e que entre os do seu mesmo Conselho foi altamente controverso. Era a Consulta, se os Judeus já expulsos pelos Reis de Castela e moradores em Portugal, tinham de ser (como no Reinado do Senhor D. João II fora decretado) logo despedidos, ou se lhes permitiria El-Rei por sua benignidade ficarem nos lugares deste Reino, que lhes foram consignados.

Requeriam as cartas d’El-Rei de Castela a D. Manuel, que não consentisse morarem no seu Reino tão malvada gente, a Deus e aos homens  mal querida. Matéria foi esta, que El-Rei teve por mui digno ponderá-la; e achou em seu Conselho muitos, que sentiam não nos devermos descartar de um povo, que o mesmo Papa não desdenhava acolher em muitas Cidades da Igreja Romana, exemplo que muitas Cidades de Castela, que muitos Príncipes Católicos não só de Itália, mas ainda na Alemanha, e na Hungria, e em outras muitas regiões da Europa tem abraçado, concedendo aos Judeus a faculdade de ali morarem, e exercerem sua indústria. Que com lançá-los da terra, nem por isso os desvestiam da ingénita perfídia, que onde quer que os pés pusessem, deixariam pegadas de maldade: nem algum homem assisado se inquietava mais com a maldade feita antes neste sítio, que naquele. Passados os Judeus em África (o que ninguém duvidava, apenas os lançássemos do Reino), eis cortadas todas as esperanças da sua conversão. Enquanto entre Católicos, com a conversação e exemplo dos  Cristãos, e acareados de seu bom ensino, muitos abordavam à Cristandade o que (uma vez entre homens eivados dos erros de Mafoma) lhe ficava desesperado. Além de ser grande desconto para a República trasladar esta gente aos Mouros o dinheiro, em que eram muitos deles opulentos, e as Artes, que de nós tomaram, e em que doutrinariam nossos inimigos, para depois com elas nos talharem grandes prejuízos. Outros contrariamente discorriam, que não sem causa foram de França e várias partes da Alemanha, dos Reinos de Aragão e de Castela despejados os Judeus; mas sim porque se inteiraram aqueles Príncipes menos afeiçoados ao avultado das alcavalas, que à puridade da fé, que lhes iam abalando a fé da gente simples, marcando com indigníssimo desacato o sacrossanto Nome de Jesus Cristo, estragando com pestíferas opiniões muitos entendimentos dos que com eles comunicavam, cujo contágio até lavrava já por entre os camponeses. Que nunca pessoa de juízo se confiaria de homens inimigos da Lei cristã, que nenhum escrúpulo fazem de passar a nossos adversários, quantos segredos podem investigar, nem detrair por peitas o nosso salvamento. Se de nossos úteis se ventilava, nada mais útil ocorria, que pôr longe de nós uma ralé nascida para fraudes, antes que manusearem as entranhas das nossas rendas; e antes levassem fazenda, que ora possuíam, que as bolsas atestadas da pública fortuna, se lha deixassem abarcar a si. Que levassem o que d’aliás trouxeram, antes que (de mais tempo ficassem no Reino) com dolos e com embustes, em que são mui mestres, arruinassem os haveres de muitas famílias.

Este conselho agradou a D. Manuel, que decretou logo a todos os Judeus e Mouros, que não se baptizassem, saíssem da arraia do Reino; e os que passado tal dia ali se achassem, perderiam a liberdade.

............................................................

Assomava em tanto o dia, em que os Judeus, que adversassem o baptismo, tinham de exilar-se. Já todos à porfia se davam prestes para a viagem, quando D. Manuel, que se lhe cortava o ânimo de correrem às penas eternas tantos milhares de homens, traçou de dar atalho a lhes salvar se quer os filhos. Foi injusta, foi iníqua a traça, bem que nascida de louvável pressuposto. Deu ordem, que todo o filho de Judeu, que não raiasse além de quatorze anos, fosse tirado do poder do pai, para arredado de sua vista ser doutrinado na religião cristã; mas não o conseguiu sem grande alteração de ânimos. Era coisa piedosa ver arrancar os filhos do seio das mães, arrastar, e ainda abordoar, e avergoar os pais, que estreitavam os filhinhos em seus braços: levantavam-se estendidos alaridos, e tremiam os ares com as lástimas, e prantos das mulheres. Deles houve, que, turvados de indignação, os filhos nos poços afogavam: deles entraram em tal loucura, que se deram a si mesmos morte. Agravava-se mais a calamidade destes miseráveis, que ansiosos de Sestras passar a África, fartos de tanta injúria, lhes negavam os meios todos. Que ardia El-Rei em tal afogo de reduzir estas ovelhas ao redil da Igreja, que metia prémios para os atrair, e insultos para obrigá-los: até a licença mesma que para o embarque lhes fora dada, lha prolongavam de um dia a outro, para intermear-lhe tempo de mudar de aviso; e de três portos, que lhe tinham nomeado para a navegação, tolheu os dois, para que só de Lisboa se embarcassem, de modo que foi inumerável o concurso de Judeus, que nela desaguou.

Passou-se o dia decretado, e já era forçoso esbulhar da liberdade os Judeus, que não puderam navegar-se. Vencidos de tamanho infortúnio, quiseram muitos professar de grado a Religião Cristã, ou antes bem fingi-lo, que estirar a vida em tal crueza. Logo que instruídos na doutrina de Cristo, foram purificados nas sagradas fontes, seus filhos lhes foram entregues, El-Rei os convidou com largos prémios, e uma vida assaz cómoda passaram em Portugal.

Mas nem legítimo foi este procedimento, nem foi Cristão. Como assim? Tu ânimos rebeldes, e não adjurados a isso por algum vínculo de Religião, obrigá-los a crer o que afincadamente menos prezam e rejeitam? Tomares sobre ti de pôr impeço à liberdade do alvedrio, e deitar peias a desbocados entendimentos? O que nem é possível, nem o consente o Santíssimo Numen de Jesus Cristo, que dos homens só requer voluntário sacrifício, não obrigado, nem de força: que nunca mandou violentar ânimos, mas afeiçoar vontades, e convidá-las ao trato do vero Cristianismo. E quem há aí que se arrogue obrar nas consciências o que o Espírito Santo só faz naquelas que não teimam resistir-lhe até o derradeiro arquejo da vida? Que ele é só quem alumia, quem acareia, quem convida, e enfim quem traz ao grémio e confissão de Jesus Cristo quantos não rejeitam tamanhos dons com desagradecida pertinácia de ânimo. Em conclusão, não vedes vós quão indigno que é confiar de homens suspeitos no trato da Cristandade, tantos mistérios, tantas sacrossantas coisas, e símbolos tão divinos? Dar ansa de maldade inconsideradamente a quem faz jogo e mofa da disciplina cristã, e macular indignamente a essência da Religião com uma máscara que a arremeda?

Todavia muitos louvaram Sua Alteza, alegando em suas razões que tomara por motivo a Religião, para que aquela gente Hebraica entrasse na vereda de salvação, tomando por abono, que se escorava, para o assim fazer, na opinião de pessoas mui acreditadas em sabedoria e cristandade, e no exemplo de muitos Príncipes Católicos: que nunca falta, nem faltará jamais quem ajeite suas falas, e com elas arme à graça dos Príncipes.

E conquanto fosse pouco justa esta acção d’El-rei, delas vemos cada dia acumulados frutos, pois que os filhos desses Judeus muito enviscados e suspeitos de terem simulado a fé, hoje com nosso trato, familiaridade e disciplina, e talvez deslembramento da paternal nequícia, cultivam santamente a Religião de Jesus Cristo, e pelos preceitos que ele deixou, moldam suas vidas.

Assim que aconteceu, que uns dos Judeus passaram em África, e os outros que ficaram, perderam esse nome; mas os Mouros que se não quiseram afastar da superstição pestífera de Mafoma, os levaram a Barberia, sem lhes ser inferida a menor moléstia, como se usara com os Judeus; de modo que os Cristãos, que em África ou em Ásia estavam em poder de Sarracenos, não sofressem mais agravo.

 

 A matança dos Judeus (1506)

 

Eodem anno (1506) fuit classis imperio Regis instructa, qua Tristanus Cugna in India navigaret.

Per idem ferme tempus Olysippone tumultus multitudinis furore et amentia concitatus fuit, quo parum abfuit, quin omnes Hebræi, qui, ut dictum est, ad  C H R I S T I  fidem conversi fuerant, fœde perirent.

Res autem ad hunc modum gesta fuit. Maxima pars civium propter pestilentiam aberat. Illis forte diebus multi ex Gallia Belgica et Germania Olysipponem naves cum mercibus appulerant. XIX vero die Aprilis non pauci ex iis, qui in urbe manserant, in Ædem nomine divi Dominici consecratam, cuius superius mentio facta est, ut rebus divinis operam darent, convenere.

Ad sinistrum latus templi est sacellum sanctum, et mira omnium religione celebratum, quod I E S U Sacellum appellant. In eo supra aram est imago C H R I S T I Crucifixi collocata, in cuius latere vulnus illud assimilatum operculum vitreum contegebat. Cum multi in vulnere illo oculos et mentem desigerent, ex eo splendor emicuit. Conclamant igitur omnes, ingens esse miraculum, cœlesteque numen præsentiam suam signis admirandis ostendere. Quidam ex Hebræis illis, qui non ita pridem Christo nomen dederant, maxima voce miraculum esse negavit, nec enim esse verisimile, ut aridum lignum miraculum ederet. Quanvis autem multi de miraculi veritate dubitarent, non tamen tempus, neque persona, neque concio erat satis apta, ut quisquam ex illo genere deberet tunc in errore illo, intimis hominum sensibus penitus insito, depellendo operam frustra consumere. Multitudo igitur natura præceps, et inconsiderata, et specie quadam religionis attonita, cum audirent hominem Hebræum miraculo fidem derogare, fremere cœpit. Iudæum perfidum et sceleratum, religionis proditorem, et C H R I S T I  hostem immanem et importunum appellat, extremoque supplicio et cruciatu dignissimum. Cum ad hunc modum probra undique multi congererent, exarsit iracundia concio, et impetum in hominem facit, et in capillum involat, et raptat, et vexat, et in forum, quod ante templum illud est, pertrahit, et crudelissime necatum dilacerat, ignemque repente facit, in quem cadaver illud coniiciat.

Ad hunc tumultum plebs universa confluxit. Ibi monachus quidam orationem fatis popularem habuit, qua multitudinem ad C H R I S T I vindictam nimis acriter incitavit. Multitudo satis sponte sua furens, ea oratione vehementius efferata est. Duo vero monachi Crucem sustulerunt, maximisque vocibus populum ad cædem concitarumt. Et altero quoque verbo, hæresim, hæresim dicebant, nefandam vindicate, gentemque sceleratam extinguite. Galli et Germani qui in navibus erant, adglomerant. Quingentos homines fuisse constat illos, a quibus fuit hoc immaniissimum facinus institutum. Ruunt igitur amentia et scelere flagrantes, et in gentem miseram nimis ferociter invadunt, multosquue trucidant, et in ignem fernivivos abiiciunt. Erant ad eam crudelitatem pyræ satis frequentes extructæ eo in loco, ubi primus ille, qui multitudinem offenderat, crematus extiterat. Servi et homines etiam vilissimi summo studio et alacritate materiam undique convehebant, ne ignis posset tanto facinori perficiendo deficere.

Mulierum luctus et lamentationes, et virorum implorationes acerbissimæ, omniumque miserabiles eiulatus eiusmodi erant, ut hostes immanes misericordia frangere possent. Illi tamen, qui cædem faciebant, ita humanitatem exuerant, ut nulli neque sexui neque ætati parcerent, sed in omnes absque ullo discrimine crudelitatem suam exercerent. Et eo quidem die supra quingentos homines ex Hebræo genere fuerunt necati, atque combusti. Sequenti die cum immanitatis illius rumor late dissipatus fuisset, homines ex pagis scelere et audacia furentes, supra mille in urbem convenere, et se ad reliquos sicarios aggregarunt. Itaque cædem instaurant. Et quia omnes Hebræi generis formidine perterriti in domibus suis latitabant, fores perfringebant, et in domos irruebant: viros, et mulieres, et virgines immanissime iugulabant: pueros autem infantes ad parietes allidebant: omnes partim enectos, partim spirantes pedibus trahebant, ut in ignem coniicerent. Multi simul concisi quidem vulneribus, vivi tamen adhuc eodem igni consumebantur.

Ingens eo iam die stupor adeo miserrimæ gentis sensus oppresserat, ut ne lamentari quidem cladem illam, et deplorare miseriam suam possent. Qui se occultabant, quanvis filios, aut parentes suos ad supplicium abripi viderent, ne lugubri gemitu proderentur, vocem emittere non audebant. Sic autem eos metus examinaverat, ut vivi non multum a mortuorum similitudine distarent. Domus interim diripiebantur. Sicarii aurum, argentum, et preciosam supellectilem coacervabant: Galli prædam in navibus imponebant, eoque prædandi studio factum est, ne multo plures eo die occiderentur. Eo autem progressus  est hominum perditorum furor, ut in ædes sacras absque ullo numinis metu invaderent, et inde pueros, et senes, et virgines, quæ ad aras confugerant, Crucibus et hominum sanctorum imaginibus affixas, et Christi fidem miserabiliter implorantes evellerent : quos repente crudelissime necabant, aut vivos in ignem proiiciebant.

Multi specie quadam et similitudine cum Hebræi existimarentur, summum vitæ periculum adierunt, et aliqui etiam ob eam causam intersecti sunt: et quidam antequam explorari posset, sibi cum Hebræis nullam esse necessitudinem, plagis atque vulneribus deformati fuere.

Multi cum in inimicos suos inciderent, eos Iudæos esse dicebant: qui antequam falsum testimonium refutare possent, sanguine suo inimicorum crudelitatem satiabant.

Magistratus non tantum animi habebant, ut multitudinis furori se opponere auderent. Multi tamen honesti viri, ad quos Hebræi confugerant, eos summa fide tuebantur, et clanculum e periculo crudelissimæ necis educebant, et in tuto collocabant. Eo tamen die supra mille ad hunc modum interierunt. Tertia rursus die ad eandem cædem sicarii mente prorsus alienata redierunt: sed neque quem occiderent reperiebant. Omnes enim ferme, qui ad Hebræum genus pertinebat, aut fuga sibi salutem pepererant, aut in domibus proborum hominum latitabant.

Aliqua tamen cædes facta fuit. Illis tribus diebus circiter duo hominum millia ex Hebræa gente ad eum modum occisa sunt.

Cum tamen advesperasceret, Arius Sylvius et Alvarus Castrensis, viri adprime nobiles, qui tunc Regis iudicum decuriis pæerant, cum præsidiis in urbem se contulerunt. Eorum adventu furor repressus est. Galli et Germani se consestim in naves cum præda magna recipiunt, datisque velis in patria ea qua potuerunt celeritate confugiunt.

Emmanuel ubi nuncium de tam insigni facinore percepit, ira nimis acriter exarsit, et continuo Iacobum Almeidam et Iacobum Lupium, viros primarios, cum summa authoritate Olysipponem misit, qui tantum scelus debito supplicio vindicarent. Magnus hominum numerus extremo supplicio pœnas immanitatis et amentiæ dedit. Monachi vero, qui sub lata Cruce hortatores cædis extiterant, sacerdotii primum dignitate solenni ritu privati sunt, deinde strangulati atque combusti.

Qui vero fegnes se præbuerunt in furore populari comprimendo, partim honoribus privati, partim pecunia multati sunt: et civitas ipsa multis ornamentis spoliata fuit.

 

No ano que vamos correndo (1506) se aparelhou por mandado de El-Rei uma Armada para a Índia, em que ia por Capitão Tristão da Cunha.

Também em Lisboa se amotinou por esse tempo o vulgacho; e tal foi o desatino e fúria ali erguida, que a pique estiveram os Judeus todos, recentemente como dissemos, convertidos, de indignamente perecerem.

O caso sucedeu assim. Tinham pouco antes chegado a Lisboa muitos navios mercantes da Bélgia Francesa e da Alemanha, e a Cidade se achava mui nua de Burgueses, por se terem dela retirado em razão do contágio; muitos dos que todavia tinham ficado se juntaram em 19 de Abril na Igreja de S. Domingos para os Ofícios Divinos.

Há na Igreja da parte esquerda uma Capela com a invocação do Senhor Jesus, mui devota, e mui frequentada pelo entranhável acatamento dos Fieis. Assenta sobre o respaldo do Altar um Crucifixo, em cuja chaga do Lado engasta um cristal, que a cobre: e ora como pusessem nela os olhos muitas pessoas, e com eles a imaginação, e vissem sair dela um luzeiro, entraram a bradar: Grande milagre! pois que a Divindade Celeste se representava ali com tão pasmosos sinais. Um daqueles Hebreus, que pouco havia se alistaram nas bandeiras do Baptismo, negava a altos gritos haver milagre; que nem num lenho seco cabia poder fazê-lo; e bem que muita gente duvidasse do milagre, nunca convinha em tal ocasião, nem a tal sujeito empregar suas palavras e afinco em desmaginar um Judeu a gente, que tão incarnado tinha nos sentidos semelhante ilusão. A multidão, que naturalmente é dessisuda e assomada, eivada agora com vislumbres de Religião, entrou a bramar de ouvir um Cristão denegar crédito a um milagre. Tratam-no de aleivoso, e malvado Judeu, traidor à Fé, cruel e desorado inimigo, digníssimo de todos os tormentos e da morte. Foram crescendo sobre ele os vitupérios de toda a parte; e tanto se escandece a cólera naquela mó de povo, que arremetem com o homem, travam-lhe dos cabelos, levam-no de rastos, e atormentando-o até o rocio, que espairece o Convento, e ali cruelissimamente morto, o despedaçam; erguem súbito uma fogueira, onde arremessam os troços do cadáver.

Acorreu a tal motim toda a gentalha, à qual um Frade fez uma pregação acomodada a despertar vinganças da Religião. Com a mui azeda exortatória, a multidão que de seu natural toma súbito furor, disparou em veemente feridade. Tinham já dois frades alçado um Crucifixo, e empuxado a plebe com altos gritos a matanças; e alternando como em choro, bradavam: “Heresia, heresia. Dai cabo dela, que é maldita. Extingui essa gente abominável.” Pojam em terra, vindos das naus, Franceses e Alemães, e se entremeiam c’os Lusitanos já cevados na despiedosa chacina. Consta que computavam a 500 homens os que empreenderam o facinorosíssimo destroço. Atravessados de ruindade e desatino, se arremessam a investir ferina e brutalmente com os míseros Judeus, degolam, apunhalam, e ainda palpitantes e com vida os arrojam nas labaredas. Que naquele mesmo rocio, em que o primeiro ardera pelo agravo, que sentira o povo dele, roncavam já para tais cruezas amiudados incêndios, porquanto com muito regozijo e pressa, escravos, e gente do mais vil jaez acarretavam lenhas, a que não desfalecem chamas para a perfeição de tamanho desmandamento.

Quebrariam corações de bravias gentes os prantos lamentosos das mulheres, as magoadíssimas súplicas dos homens, e os maviosíssimos clamores tão gerais. Mas tão despidos andavam de humano os enfrascados naquele morticínio, que sem perdoar nem a idade, nem a sexo, com antolhos para tais resguardos, algozavam por maneira, que naquele dia foram mortos e queimados além de 500 pessoas dos Hebreus. E como o boato daquela carnificina se espalhasse no dia seguinte pelas aldeias do termo, vieram delas mais de mil facinorosos verdugos agregar-se ao bando dos malfeitores da Cidade: com o que refrescou a morte e justiças. E em razão de toda a família Judaica se ter de temerosos escondido em casa, lhes arrombavam portas, e entravam dentro a degolar, como carniceiros, homens e mulheres e as donzelas mesmas, esmigalhando contra a parede as criancinhas, tirando pelos pés uns mortos, outros expirando, para os lançarem nas fogueiras, e muitos mesmo cortados somente de feridas, consumiam nelas vivos.

Tal ambaçamento se apoderou então daquela misérrima gente e de seus sentidos, que nem lamentar seus mortos conseguiam, nem deplorar seus infortúnios. Os homiciados nem soltar ousavam uma só voz, despedir um só gemido, ao ver arrebatar-se os filhos, os parentes para o suplício. Tanto os desmaiara o susto, que dos mortos dessemelhavam os vivos! Saqueavam-lhes em tanto as casas os desalmados, e punham em montes ouro, prata, e preciosos móveis; e se naquele dia não morreram mor quantidade, foi pela ânsia que se davam os Franceses em roubar e acarretar a presa para os seus navios. Chegou a tal ponto a fúria daqueles sacrílegos, que devassavam os Templos sem respeito algum a Deus, e deles arrancavam os velhos, os meninos, e donzelas, que aos Altares se acolheram, que com as imagens dos Santos se abraçavam, e que piedosamente invocavam o amparo de Jesus Cristo: logo ali brutalmente lhe davam morte, ou vivos ao fogo os arrojavam.

Muitos, que só pela cara, ou qualquer outra parecença jizavam pelo Judaismo, correram risco de morte, e outros a padeceram por esse único pressuposto: e ainda vários antes de lhe averiguarem se tinham com os Hebreus conexão alguma, foram com pancadas, e com golpes desfigurados.

Muitos, encontrando com inimigos seus, e apelidando-os de Judeus, em seu sangue ensopavam as ferinas espadas, sem lhes dar azo a refutarem o falso aleive.

Não tinham os Magistrados afoiteza tal, que ousassem atalhar o furor da multidão. Houve contudo honestos Cidadãos, que abrigaram, que defenderam os Judeus, que a eles se amparavam, subtraindo-os a mortes cruelíssimas, e pondo-os em seguro. Morreram todavia além de mil em tal estrago: e já tornavam no dia seguinte os malfeitores desatinados a renovar a carniceria; mas não achavam a quem matassem; que quase quantos tocavam à gente Hebreia, se tinham posto em cobro, fugidos uns, encobertos outros em casa de pessoas piedosas.

Fizeram contudo algumas justiças das costumadas: em tudo morreram nos três dias ao redor de dois mil Judeus.

Sobre tarde entraram na Cidade acompanhados de soldadesca dois fidalgos mui ilustres, Aires da Silva e Álvaro de Castro, Regedores da Casa da Suplicação e Desembargo, e com sua vinda acalmou o destroço. Porquanto Franceses e Alemães com sobejo saque se recolheram logo a seus bordos; e dando à vela, fugiam para suas terras a todo o curso.

Logo que D. Manuel ouviu a nova de tão insignes desacordos (*), ateou-se-lhe tão violenta cólera, que despachou súbito a Diogo de Almeida, e a Diogo Lobo com suprema alçada a Lisboa, e que dessem a execrandos feitos exemplar castigo. Grão número de culpados pagaram com as vidas a pena de seu destino e crueldade; e os Frades, que arvoraram o Crucifixo, e encomendaram tais ferezas, degredados antes com muita solenidade de suas Ordens, pois eram Sacerdotes, os enforcaram e queimaram.

Os que foram lentos em comprimir a fúria popular, foram uns multados em dinheiro, outros em honras: e a Cidade desfalcada em muitas prerrogativas.

                           (*) A Corte estava então em Abrantes, por causa da peste.

 

Fontes

 

Versão Latina: De rebus Emmanuelis regis Lusitaniae invictissimi virtute et auspicio gestis libri duodecim auctore Hieronymo Osorio Episcopo Silvensi  Olysippone apud Antonium Gondisalvum Thypographum anno Domini  1571, cum privilegio Regio.

Online: http://bibliothek.uv.es/search*val/aOsorio/aosorio/1,34,69,B/l962&FF=aosorio+jeronimo+1506+1580&2,,13,0,-1

 

A mesma edição em http://www.fc.up.pt/fa/index.php?p=nav&f=books.0226.W_0226_000002

 

Versão portuguesa: Da vida e feitos d’ElRei D. Manoel, XII livros dedicados ao Cardeal D. Henrique, seu filho, por Jeronymo Osorio, Bispo de Sylves, vertidos em Portuguez pelo Padre Francisco Manoel do Nascimento, Lisboa MDCCCIV, na Impressão Régia – 2 tomos

Online: http://books.google.com

 

 

Referências

 

Wikipedia - Judeus em Portugal

 

Wikipedia - Pogrom de 1506

 

Wikipedia - Jerónimo Osório

 

Wikipedia - Jerónimo Osório

 

Ana Thereza Basilio Vieira, O De Gloria, livro I, de Jerónimo Osório  - Tese de Doutoramento na Universidade Federal do Rio de Janeiro

Online: http://www.letras.ufrj.br/pgclassicas/AnaThereza.pdf

 

 

 

 

 D. JERONIMO OSORIO Nasceu em Lisboa no anno de 1506. Sendo filho primogenito de João Osorio da Fonceca quarto filho de Alvaro Osorio da Fonceca Senhor das Villas de Figueiró da Granja, e Santa Eufemia, e de Francisca Gil de Gouvea filha de Affonso Gil de Gouvea criado do Infante D. Fernando Pay delRey D. Manoel, e Ouvidor das Terras do mesmo Infante. Pela auzencia do seu Pay, que partira para a India a exercitar a Ouvidoria Geral do Estado acompanhando ao Iazão Portuguez o clarissimo Heroe D. Vasco da Gama, conhecendo sua May, a cuja vigilante tutela ficara cometido, a viveza de engenho, que já descubria na idade de dez anos o mandou instruir em a língua  Latina na qual fez tão acelerados progressos que delle vaticinou o Mestre a excelência do seu talento para comprehender os estudos mais severos.

Quando cumprio treze anos passou à Universidade de Salamanca onde se aperfeiçoou em o idioma Latino, e aprendeo o Grego no qual traduzio em elegantes Versos as Lamentações de Jeremias. Passados dous anos se restituiu à Patria para com a prezença diminuir as saudades de seu Pay, que tinha chegado da India mais cheyo de fama, que riquezas, e querendo, que fosse herdeiro da sua sciencia juridica lhe ordenou voltasse para Salamanca a estudar Direito Cesareo a cujo preceito obedeceu constrangido por ser a sua natural inclinação para as armas, de tal sorte, estava resoluto ostentar os brios do seu coração professando a Ordem militar de Malta.

Na Academia Salmanticense aplicava somente duas horas cada dia ao estudo da Jurisprudencia, e consumia todo o tempo em a lição dos Historiadores Latinos, e Gregos sendo o seu principal cuidado conservar a alma isenta da menor culpa, e para este fim armado de continuo cilicio fez voto solene de Castidade no dia da triumfal Assumpção de Maria Santíssima ao tempo que seu Confessor celebrava o incruento Sacrificio da Missa em o reformado Convento de Santo Estevão da Ordem dos. Pregadores.

Por morte de seu Pay voltou a Patria donde quando tinha desanove anos foy estudar a Pariz a Dialectica, cujas subtilezas penetrou tão profundamente, que mereceu as aclamações de consumado Filosofo. Nesta florentissima Universidade contraiu cordial amizade com Santo Ignacio de Loyola, e seus insignes companheiros sendo hum dos principaes authores para que ElRey D. Ioão o III. admitisse ao seu Reyno o instituto da Companhia de JESUS.

Restituido terceira vez a Portugal depois de concluir alguns negocios pretencentes à sua Pessoa passou a Bolonha em cuja Universidade se aplicou ao estudo da Sagrada Theologia, e à inteligência da língua Santa escrevendo quando contava trinta anos os livros de Nobilitate Civili, et Christiana, ê que dedicou ao Infante D. Luis de quem era summamente favorecido.

Querendo a Magestade delRey D. Ioão o III. authorizar com o seu magisterio a Academia Conimbricense, que magnificamente restaurara, o mandou chamar de Bolonha, e na Cadeira da Escritura explicou com emolumento dos discipulos, e assombro dos Cathedraticos o livro de Isaias, e a Epistola de S. Paulo aos Romanos.

Considerando com madura reflexão a irreparavel perda, que padecia a Republica litteraria com a falta dos livros de Gloria; de Republica, e de Consolatione,que compuzera o Principe da eloquencia Latina emprendeo restaurallos, cuja idea felismente conseguio escrevendo o Tratado de Gloria –com estilo tão semelhante ao de Cicero, que muitos julgavão ser parto da penna deste eloquentíssimo Orador.

Depois compoz em contraposição do Tratado de Republica o de Regis Institutione; e ultimamente para substituir a falta do Tratado de Consolatione fez huma douta parafrase sobre o livro de Job como eficaz lenitivo para tolerar as molestias, e tribulações do Mundo.

O Serenissimo Infante D. Luiz de quem fora muitos anos Secretario como conhecesse a profundidade da sua sciencia, e a integridade dos seus custumes o nomeou Prior das Igrejas de Santa Maria do Castello de Tavares, e S. Salvador de Travanca em o mesmo Conselho de Tavares do Bispado de Viseu, e lhe cometeo a educação de seu filho o Senhor D. Antonio cuja incumbencia conservou até a morte daquelle Principe, por cuja cauza partio para a sua Igreja onde residia com vigilancia de perfeito Pastor.

Increpado por alguns amigos do retiro que fizera da Corte, respondeo que a fé, e verdade que sempre professara não podião habitar onde somente dominavão o engano, e a adulação. Não foy poderosa a austeridade do seu genio para não ser chamado ao lugar donde fugira merecendo distintas estimações dos Serenissimos Monarchas D. Ioão o III. e D. Catherina, e do Cardial D. Henrique que o nomeou por renuncia do Mestre Gaspar de Leão depois Arcebispo de Goa, Arcediago do Abago da Cathedral de Evora de que tomou posse em 30 de Março de 1560 e por sua insinuação escreveo aquella erudita Carta à Rainha Izabel de Inglaterra onde lhe persuadia com rezões concludentes que abjurados os erros hereticos abraçasse os dogmas da Igreja Romana.

Para defender a impiedade desta nova Jezabel tomou a penna seu Ministro Gualter Haddon contra o qual vibrou Osorio como fulminante rayo a sua convencendo com tanta evidencia os sofismas do seu Antigonista que confuso se não atreveo a entrar em segundo conflicto.

Como os seus merecimentos se augmentassem com os anos o nomeou ElRey D. Sebastião Bispo da Cidade de Sylves em o Reyno do Algarve, e posto que protestou a sua incapacidade para tão alta Prelazia constrangido a aceitou no anno de 1564  cuja Cathedral passados 17 anos se transferio em seu tempo para a Cidade de Faro em 30 de Março de 1577 onde agora permanece.

Todas as virtudes que fizerão veneraveis os Prelados da primitiva Igreja copiou tão fielmente no seu peito, que de muitos foy glorioso excesso.

Quotidianamente se levantava da cama antes de amanhecer, e posto de joelhos aprendia na escola da Oração mental os documentos conduzentes ao serviço de Deos, e do proximo; como tambem a intelligencia de algum lugar dificil da Escritura, e passadas duas horas celebrava o incruento Sacrificio do Altar. Para que os seus Familiares evitassem a ociosidade fecunda mãy de todos os vicios, sustentava com largos estipendios em o seu Palacio homens eruditos para lhes ensinar as artes dignas do seu estado, aos quais muitas vezes instruia com os preceitos da língua  Grega, e Geometria de Euclides.

A meza era commua como as iguarias onde havia continua lição de varios authores sendo para o seu palato a mais diliciosa alguma obra do Melifluo Doutor S. Bernardo, satisfazendo a todas as duvidas, que erão propostas pelos circunstantes.

Para instrução universal do seu rebanho mandou com grande dispendio abrir escolas de latim em Lagos, e Villa nova de Portimão; e de Theologia Moral em Faro, Tavira, e Loulè.

Exhortava aquelles, que pelo seu talento se distinguião, a frequentar as Universidades socorrendo generosamente aos que a pobreza dificultava este exercicio, e remunerando com lugares honorificos, e rendosos a todos que tinhão feito mayores progressos nos estudos. Tanta era a promptidão com que dezejava remediar aos pobres que trazia sempre cheya a bolsa de dinheiro para escuzar a providencia do seu Esmoller, em cuja despeza gastava a mayor parte das rendas Episcopaes. Toda a quantia, que se cobrava em a Chancellaria das condenações se aplicava para beneficio dos Hospitaes, e Cazas da Misericordia, uzando da mesma comiseração com os Conventos mais reformados dandolhe todo o genero de remedios para cura dos infermos.

Sempre estava patente a porta do seu Palacio a qualquer pessoa que o buscava, e sucedendo que o porteiro em certa ocasião dificultou a entrada a hum pobre, o reprehendeo severamente não permitindo que houvesse tal lugar em sua caza.

Vizitando a sua Diocese inquiria prudentemente dos criminosos, e sendo chamados à sua prezença os exhortava pastoralmente à reforma das suas vidas de cujas saudaveis admoestações se admirarão transformações repentinas. Foy acerrimo defensor da sua dignidade punindo severamente aos violadores da jurisdição Ecclesiastica que se valião da authoridade real para livremente cometer enormes insultos.

Nas Cortes celebradas em Lisboa a 20 de Ianeiro de 1568 . onde tomou as redeas do Governo ElRey D. Sebastião assistio com os Prelados das outras Dioceses, e como o Cardial D. Henrique conhecia a sua grande prudencia intentou que fosse hum dos directores do novo Monarcha em a regencia do Reyno, porem com o pretexto da obrigação pastoral se retirou ao Algarve, e chegando a noticia da precipitada resolução com que elRey arrebatado do seu inquieto espirito queria passar a Africa lhe escreveo huma Carta na qual com zelosa fidelidade lhe expunha ser conveniente à estabilidade da Monarchia, que sua Alteza cazasse antes de executar os designios que meditava.

Com outra Carta cheya de documentos politicos, e desenganos catholicos persuadio ao mesmo Príncipe se restituisse ao Reyno depois de ter imprudentemente executado a primeira expedição de África. Estes maduros conselhos que devião ser summamente estimados forão motivo de varias calumnias maquinadas pelo odio dos seus emulos, e receando que fossem benevolamente aceitas a ElRey se retirou de Portugal com o pretexto da vizita ad limina Apostolorum.

Da Cidade de Sevilha pedio por huma Carta o beneplacito real para esta jornada, e entrando em Parma em o anno de 1576 foy tratado com summa benevolencia pela Serenissima Princeza D. Maria Neta DelRey D. Manoel onde para não passar ociosamente o tempo que naquella Cidade assistio, compoz em obzequio daquella Princeza a Parafrase sobre os Psalmos.

De Parma passou a Roma, e depois de venerar com summa piedade as sepulturas dos Principes do Apostolado foy benevolamente recebido pelo Summo Pontifice Gregorio XIII. de cuja pastoral liberalidade recebeo particulares privilegios para a Sua Igreja.

Obrigado das Cartas delRey D. Sebastião, e do Cardial D. Henrique para voltar ao Reyno como tambem do escrupulo de estar auzente hum anno do seu rebanho, e evitar o rumor popular de que a sua demora na Curia era com intento de vestir a Purpura Romana, pensamento que tivera Marcello II. partio de Roma onde deixou impressas saudosas memorias da sua grande capacidade, e exemplar vida. Ao tempo que chegou a Portugal se estava preparando com o mayor aparato militar ElRey D. Sebastião para a infeliz expedição de Africa, e valendo-se da authoridade da pessoa, e eficacia da eloquencia exhortou a este Principe que não executasse a temeraria resolução com que precipitadamente corria à ultima perdição.

Recebida a infausta noticia de que nos Campos de Alcacer agonizara a 4 de Agosto de 1578 a Monarchia Portugueza com o author de tão deploravel derrota, concebeo tão profundo pezar o seu coração, que sendo naturalmente robusto lhe faltarão forças para resistir a tão fatal calamidade. Querendo pacificar os tumultos, que havia em Tavira procedidos deste infausto sucesso partio em huma liteira, e parecendo-lhe, que a menor demora augmentaria o furor dos tumultuosos montou em huma mula para mais brevemente chegar àquela Cidade onde como o tempo fosse muito calmoso, e contrahisse huma chaga na perna direita foy obrigado a recolherse ao Convento dos Religiosos de S. Francisco. Acometido de huma ardente febre que durou pelo espaço de vinte dias, sendo avizado de que certamente morria recebeo com semblante alegre este anuncio levantando os olhos, e mãos ao Ceo.

Posto que tinha faculdade de Gregorio XIII. para testar de vinte mil cruzados somente dispoz de mil, e quinhentos que tinha hum Conego seu familiar, os quais ordenou se  9 repartissem pelos criados da sua caza satisfazendolhe os estipendios annuaes ainda que os não tivessem vencidos. Depois de receber com ternissima piedade o sagrado Viatico, e a Extrema unção expirou abraçado com hum Crucifixo a 20 de Agosto de 1580 quando contava 74 anos de idade.

Foy sepultado na Capella mór do Convento de S. Francisco de Tavira como ordenara para ser transferido para a sua Cathedral.

Foy verdadeiramente Varão ornado de profundas letras, e singulares virtudes pelas quais mereceo as estimações dos Summos Pontifices Marcello II. e Gregorio XIII. dos Reys de Portugal D. João o III. D. Sebastião, e D. Henrique, de Estevão Battorio Rey de Polonia que pelo seu Chanceller Ioão Zamoisciu o mandou visitar a Roma confessando com honorificas expressões a utilidade, que colhera com a lição das suas obras; dos insignes Cardeaes Estanislao Osio, e Guilherme Sirleto.

Fallou a língua  Latina como se nacera no seculo do Augusto chegando a imitar com cores tão vivas a Cicero, que se equivocava a copia com o Original.

Foy eloquentissimo Orador, profundissimo Theologo, doutissimo Escriturario, e excellente Historiador elegendo para assumpto da sua penna as incritas acções delRey D. Manoel, que por ser o segundo Alexandre Conquistador do Oriente as narrou com o estilo de Quinto Curcio Chronista das façanhas do primeiro.

 

O seu nome he celebrado pelas vozes de insignes Escritores, como são D. Manoel de Almada Bispo de Angra in princip.Epist. ad Guaterem Haddonem. Vir non tantum utraque (quod aiunt) Minerua Graeca simul, et Latina, sed etiam assiduis Sacrarum litterarumstudiis praeditus, qui per multos annorum retro actorum vigilias evasit doctissimus, cujus scripta ut pia, fructosa, et Christianam redolentia pietatem Principes Christiani, et proceres Ecclesiae Catholicae recipiunt, omnesque doctissimi nostri temporis viri magnifaciunt. Jacob. August. Tuan. Hist. sui Tempor. Part. 3. lib. 72. Tum Scriptis quae multa, et variafpuriori, ac florido stylo exarata dum vixit, passim dedit, tùm vitae sanctioris exemplo non solùm suis;!sed toto Christiano orbi utilis. Lelong.Bib. Sacr. pag. mihi 888. col. 2. Latine, et Graece doctus. Faria Europ. Portug. Tom. 3. P. 1. cap. 4. n. 3. Excellentissimo Escritor. Joan. Soar. de Brito Theatr. Lusit. Liter. lit. H. n. 23.Vir ingenio, judicio que magno, ea vero eloquentia, quae suo saeculo parem vix habuit.  Papadopoli Hist. Gymnas. Patavin. lib. 2. cap. 28. §. 128. Nemo sua aetate in Lusitania clarior fuit, sive spendorem generis spectes, sive decus cùm Sapientiae, tum pietatis qua praestitisse illum ad exemplar priscorum Patrum absolutissimum constat. Hyeron. Blancas Aragonens. rerum Comment.pag. 301. Sapientisimum et eloquentissimum cui videntur in cunis dormienti tamquam alteri Platoni in labellis apes consedisse. Walciu Hist. Crit. ling. Latin. cap. 11. pag. 444. hominem laudibus eloquentiae ornatissimum.  Beyerlinck Opus Chronolog. ad ann. 1567 6. perpetuis eruditae laudis honoribus efferendus est. Daça Chron. de S. Franc. Part. 1 . liv. 1. cap. 50.  diligente y fidelissimo Historiador.  Arnold. Myllius Epist. ad Ioan. Metel. que saiu no principio da Parafrase de Isaias do mesmo Osorio Vir est longe doctissimus, et rara pietate, morumque gravitate multò clarissimus. Souza Flor. de Espan. Excel. de Portug. cap. 23. Excel. 23. §. 10.  por los excellentes livros, que compuso ganò tal fama, que de Inglaterra, Alemania, y otras partes venian solo a verle muchas gentes como a otro Titolivio.Marangoni Thezaur. Paroch. Tom. 2. pag. 68. §. 34.2 Doctrina, religione in Deum, et Regem clarissimus.Telles,Chron. da Comp. de Jes. da Prov. de Portug. Tom. 2. liv. 5. cap. 28. §. 10. Varão eloquentissimo. Capassi Hist. Philosoph. lib. 4. cap. 14. Cicero Lusitanus.Franckenau Bib. Hisp. Gen. Herald. p. 178. n. 259.vir ob erudita, ac eleganti scripta eloquio varii argumenti opera notissimus. Teisser Elog. des Hom. Savans.Tom. 3.pag. 187. personage d'une naissance  nobre, d'une profonde erudition, d'une rare eloquence, e d'une sincere pietè. Gil Gonzalves de Avila Theatr. de las Grand. de Madridpag. 506.’aquel varon tan señalado, y famoso digno de toda memoria, el Cicero Christiano D. Geronimo Osorio, que honrò su patria con sus escritos, y pluma. Toscano Paralel. de Var. Illustr.cap. 129. Foy igual a Cicero na eloquencia, estilo, e frase, e finalmente ate hoje o que mais o imitou, seguio, e igualou nesta materia pelo qual conseguio, e dignamente mereceo o titulo, e sobre nome tambem de Principe da Língua  Latina, e no cap. 130. Não só foy muy louvado, e estimado de seus naturaes, mas das nações estranhas. Maris Dialog. de Var. Hist. Dialog. 4. cap. 13. Principe dos Oradores.Hollander de Nobilitat.pag. 65.  Oratorum hujus saeculi omnium eloquentissimus. Fonceca. Evor. Glorios.pag. 301. insigne Historiador, e Letrado. Brito Mon. Lusit. Part. 1. liv. 2. cap. 12. eloquentissimo.  Nicol. Ant.Bib. Hisp. Tom. 1. pag. 449. col. 2.  Plane in hoc viro quid quid praestantis, et eximii natura concedere, studiaque litterarum conferre solent cumulatum meritò dixeris. Nam praeter innocentissimos mores, ductamque ad unguem Pontificiae vitae formam, sic in eo resplenduit sapientia, eloquentiae conjuncta, ut nescias quid in ejus doctissimis, et  elegantissimis lucubrationibus solidissimae ne, ac vere Christianae Philosophiae documeta, et illustres undique cogitationes quibus Platonem, an excellentia Latinae loquutionis, qua Tullium Ciceronem ad Ecclesiae Castra deducere voluisse videtur celebritate mayori, et laude dignum sit. Dupin  Hist. de l'Eglise, e des Autheurs. Eccles. Secle XVI. pag. mihi 419. C'est à bon droit qu'on appelle Osorius le Ciceron Portugais car il est un des plus grands imitateurs de Ciceron qu' il y ait eu soit pour le stile, soit pour le choix qu'il fait des sujets, soit pour la maniere de les traiter.Possevin.Apparat. Sac.pag. 743.Vir nobilis, doctus, eloquens, castus.  Andre Scoto Hisp. Bib.pag. 551. Ob egregia ingenii monumenta nulla unquam aetas de ejus laudibus conticescet: teretur illorum manibus qui sapientiam recta cum eloquentia conjungendam existimarint. Franco Imag. da Virtud. em o Nov. de Evor. liv. 1. cap. 5. excellente Historiador. Koning. Bib. Vet. et Nov. pag. 594. col. 1. Souza Agiol. Lusit. Tom. 4. pag. 606. Grande zelador da honra de Deos, acérrimo defensor da Religião Chritãa, insigne Theologo, versado em todo o género de erudição. Niceron Memoir. des Hom. Illustr.  Tom. 11. pag. 202. e seguintes. Conrado Gesnero in Append. Biblioth.C fol. 520. Reynerio Mathisio em a seguinte ode impressa no livro de Rebus Emman. Regis da edição de Colonia. 

 

Vis Lusitanae Gentis, in India

Res Scire gestas, bellaque barbaris

Illata regnis; et subactos

In Lybicá Regione Mauros:

Vi et repertas navibus insulas:

Et scire mores juraque gentium

Doctos deserti lector Osorii

Evolve libros assidua manu;

Ex hoc amaeno fonte summa

Utilitas fluet, et voluptas.

Hinc multa disces, quae neqae saeculis

Unquam fuerunt nota prioribus

Nec Visa. Miras longus artes

Reperit, et meditatur usus....

Haec persequetur doctus Osorius:

Huc huc ades tandem juventus 

Pieriis operata Musis:

Haec Tullianis plena leporibus

Sunt, atque cedro digna volumina

Utaris hác noctes, dies que

Historiá studiose lector.

 

 

As obras deste insigne Prelado, que corriam dispersas em diversos tomos, e impressas em varias partes as collegio com grande disvelo seu sobrinho Ieronimo Osorio Conego da Cathedral de Evora quando assistio em Roma, e sahirão comprehendidas em quatro Tomos de folha.  Romae apud Bartholamaeum Bonfadini .1692.

No primeiro Tomo estão as seguintes.-

 

De Nobilitate Civili libri II.

 

De Nobililitate Christiana. libri III.

 

Estes dous tratados, que muito louvam dous Oraculos da Jurisprudencia Andre Tiraquello Tract. de Nobilit.  cap. 1. e João Solorzano de Jure Ind. Tom. 1. liv. 1. cap. 3. n. 48. forão dedicados ao Serenissimo Infante D. Luiz. Olyssipone apud Ludovicum Rodriguez.1542 . 4. Florentiae apud Torrentium 1552. 8. Basileae apud Petrum Pernam1571 . 8. Coloniae apud Cholinum.1591 . 12. Parisiis apud Isaiam le Preux  1606V. 8. Saiu traduzido em Frances por Monsieur de Guillotiere. Pariz ches Iaquez Kerner.  1549. 4. Rogerio Ascanio, Varão summamente erudito remeteo esta obra ao Cardial Reginaldo Polo com huma elegante carta, que he a primeira entre as de Osorio exaltando seu Author com o seguinte Elogio. In tractanda vero hac tam praeclara materia eam eloquentiae facultatem adhibet, qua pauci quidem mea certa opinione post illa Augusti tempora aut puriore, aut praestantiore usi sunt. Est enim in uerbis deligendis tam peritus; in sententiis continuandis tam politus, ita proprietate castus, ita perspicuitate illustris; ita aptus, et  verecundus in translatis; suavis ubique sine fastidio; gravis semper sine molestia; sic fluens, ut nunquam turgescat;sic omnibus perfectus numeris, ut nec addi aliquid, nec demi ei quidquam mea opinione possit. Immo tam praestans artifex est, ut nec Italia in Sadoleto, nec Gallia in Longolio plus quam nunc Hispania in Osorio gloriari debeat. O mesmo conceito fez desta obra Jeronimo Cardoso em huma carta que he a 6.a entre as impressas.Videbar mihi in Ciceronis de Philosophiae libris summa cum voluptate versari. Nec mirum cum eadem ubertas, et gravitas, eadem sermonis puritas, et orationis concinnitas, idemque denique lepos passim eluceret.

 

De Gloria libri V. Dedicado a ElRey D. Ioão o III. Olyssipone apud Franciscum Correa 1549 .  4. Saiu juntamente com o tratado de Nobilit. Christiana Florentiae apud Laurentium Torrentium 1552 .  Basileae 1556 .  8. Compluti apud Andream Angulo .1568 .  12. Coloniae 1577 .  Bilbao apud Mathiam Mares 1578 . Basileae 1584 .  Coloniae .  1594 .  12.Parisii apud Isaiam le Preux 1608 .  8.           Rhotomagi 1616 . Antuerpiae 1635 .  12.G Desta obra como da precedente faz este elogio Afonso Garcia Matamoros de Acad. et docti vir Hisp Suavi Simul, et artificiosa verborum structura citra versum conscripsit. Sono, et numero Orationis leviter demulcet aures, ut hac una possit singulari virtute cum Lactantio, et Christophoro Longolio, et quovis alio Ciceroniano non injuria certare. Aristotelica tamen quadam disserendi ratione, et copia sic est usus, ut non ad voluptatem aurium, quae summa est, sicuti ego aestimo, in hoc authore, sed ad judiciorum certamen scripsisse videatur.

 

De Regis Institutione, et disciplina libri VIII. ad Sebastianum primum Portugalliae Regem.Olyssipone apud Ioannem Hispan. 1572 .  4. Coloniae apud haeredes Birckmani .1574 .  8. Parisiis apud Petrum Huillier 1583 .  fol.I por deligencia de Pedro Brisson irmão do Prezidente Barnabe Brisson; et  Colonia apud haeredes Arnoldi Birckmani .  1614 .  8.

 

 

De rebus Emmanuelis Regis Lusitaniae virtute, et auspicio gestis libri duo decim.Olyssipone apud Antonium Gondissalvum 1571 .  fol. Coloniae apud haeredes Birckmanni 1597 .  8. com huma douta prefação de Ioão Matallio Metello Sequano Iurisconsulto escrita ao sapientissimo Varão D. Antonio Agostinho Arcebispo de Tarragona. Saiu traduzido em Francês por Simão Goulard com o titulo seguinte. Histoire de Portugal contenant, les entrepreses, navegations, et gestes memorables des Portugaloes tant en la conquéte des Indes Orientales qu'aux guerres de Afrique etc. Pariz par François Estiene 1581 .  fol.et ibi chez Abel 1'Angelier 1587 .  8.et ibi par Samuel Crespin 1610 .  8.B 2. Tom. Manoel de Faria, e Souza nas Advert. ao primeiro Tom. da Asia Portugueza faz o seguinte elogio a esta obra sin algun discrimen es la màs felis despues de la de Titulivio. En la latinidad todos le conceden facilmente la palma de ser el mejor Ciceroniano: en la orden es singular, en el juizio es claro; en los reparos es agudo, en la gala es grave, e en todo es perfecto,  e o Padre Niceron Memoir. des Hommes IIIustr.Tom. 11. pag. 208.  Est recommandable par le soin qu'il a pris de s'informer de la verite des faits, e de les raconter sans deguisement; il ècrit avec brievetè, avec clartè e avec neteté. Il sonde les conseils, e les fundamens des deliberations, donne su jugement sur les actions des Grands, e des Rois, e condamne avec libertè leurs defauts sans èpargner ceux de sa Nation.

 

 

Defensio sui Nominis . He huma erudita apologia em que mostra contra seus emulos as rezões que o moverão para afirmar que devia suceder nesta Coroa Filippe Prudente por morte do Cardial D. Henrique.         

 

Epistolae .           Hannoviae .12

 

O segundo Tomo compreende as seguintes obras.

 

Epistola ad Serenissimam Elisabetham Angliae Reginam.Olyssipone apud Ioannem Blavium .1562 .  4.et  Venetiis apud Ioannem Ziletum 1563 . Olyssipone apud Antonium Riberium .1575 .  4. Foy vertida na língua  Franceza.  Pariz chez Niculao Chesnau .1565 .  8. 516 e na Ingleza como escreve Niceron Mem. des Hom. Illustr. Tom. 11. pag. 209.

 

In Gualterum Haddonem Magistrum libellorum suplicum apud clarissimam Principem Elisabetham Angliae, Franciae, Hiberniae Reginam libri III.Olyssipone apud Franciscum Correa 1567 .  4. Dilingae 1569 .  8.et ibi „1576. com huma Oração de Iacobo Longolio sobre o mesmo argumento.  Treveris apud Edmundum Hatot .1585 .  12.

 

De Justitia libri X. in quibus explicantur omnia quae de Fide, et  actionibus, Meritis, et Gratia, libera hominis voluntate et Praesensione, atque praescriptione divina ad hanc diem disceptata sunt, et falsis opinionibus evulsis omnes ad pie credendum, et bene vivendum instituuntur. Coloniae apud haeredes Birckmanni 1574 .  8.e  1581 .  8.

 

De Vera Sapientia libri V. ad Gregorium XIII. P. .Olyssipone apud Franciscum Correa .1578 .  4. Coloniae .  1579 .  8. et ibi ex Officina Birckmannica .  1582 .  8. 

 

In Epistolam PauIi ad Romanos .

 

 

No terceiro Tomo estão as obras seguintes.

 

Paraphrasis in Iob. libri III. 

 

Paraphrasis in Psalmos .

 

Commentaria in Parabolas Salomonis. 

 

In Sapientiam Salomonis.Antuerpiae .1596 .  12.

 

No Quarto Tomo.

 

Paraphrasis in Isaiam ad Henricum Regis Emmanuelis filium S. R. E. Tit. Sanctorum Coronatorum Cardinalem libri V. Coloniae apud Alexandrum Bonatium 1578 . et ibi apud haeredes Arnoldi Birckmanni 1579 .  4.

 

In Oseam Prophetam Commentaria.

 

In Zachariam Prophetam Commentaria.Coloniœ 1584 .  8.

 

In Laudem D. Ae Catherinae Oratio.

 

In Ioannis Evangelium Orationes XXI. Coloniae .  1584 .  8.

 

Carmen in diem Natalem D. N. J. Christi.Consta este Poema de 80. versos heroicos.

 

Alem destas obras compreendidas nos quatro Tomos impressos em Roma,

 

Compoz.

 

Tradução Latina das Meditações do Cardial D. Henrique sobre a Oração do P. Nosso. Lisboa por Francisco Correa .1576 .  12. 

 

Epistola ad Hyeronimum Cardosum.He a 10 entre as do mesmo Cardoso que sahirão. Olyssipone apud Ioannem Barrerium Typ. Reg. 1556 .  8.

 

Commentaria in Psalmum Miserere mei Deus. M. S.

 

Tratado do Reyno do Algarve. He allegado por Fr. Bernardo de Brito Mon.  Lusit.P. 1. liv. 2. cap. 13.

 

Oração funebre nas Exequias delRey D. Ioão o III. celebradas em Coimbra. M. S.

 

Decretos do Concilio Tridentino traduzidos em Portuguez. M. S.

 

Carta escrita de Villa nova de Portimão a 12. de Outubro de  1570. a ElRey D. Sebastião em que lhe persuade que se caze. M. S.

 

Carta escrita de Lisboa a 20 de Outubro de  1574 . ao mesmo Principe. He larga, e discreta.  M. S.

 

Duas cartas escritas ao mesmo Principe contra Maximo Dias de Lemos por se oppor à Iurisdição Eclesiastica. M. S.

 

Carta à Rainha D. Catherina despersuadindo-a que não parta para Castella M. S. :

 

Carta ao Cardial D. Henrique sobre a sucessão desta Coroa. M. S.

 

Excellentissimo Domino Alphonso Portugalensi Comiti do Vimioso Epistola cujo original vimos, e se conserva no Archivo desta Excellentissima Caza da qual faz memoria o P. D. Antonio Caetano de Souz. Hist. Genealog. da Caza Real Portug. Tom. 10. cap. 5. pag. 689.

 

          da: Bibliotheca lusitana historica, critica, e cronologica: na qual se comprehende a noticia dos authores portuguezes, e das obras, que compuserão desde o tempo da promulgação da Ley da Graça até ao tempo presente, por Diogo Barbosa Machado (1682-1772), 4 vols., 1741.